02/02/2011

Trapezista emocionalmente equilibrada

Junto os cacos, as migalhas, os pedaços

reciclo com minha singularidade

E vou compondo opiniões.

Não quero ganhar nada,

através da destruição do ego

de outro alguém, não me agrada

nenhum pouco fazer algo por nada

Chegar em primeiro, comemorar,

ganhar o tempo inteiro e nada ganhar.

Não sou egoísta, nem invejo ninguém

o que conquisto é sem competição

É resultado do que vivo

e o que resulta as minhas ações.

O que muitos desejam

na maioria não me é desejável,

por muito tempo fui conhecido como louca.

Por agir por pulsão e ser sincera nas minhas opiniões

por não ter medo de expressar meus sentimentos,

por nada disso lamento,

pois nossas lembranças se tornam marcantes

pelos erros que cometemos,

Nada de arrependimentos, pois com os erros aprendi

e através da busca encontrei,

o que tanto desejei incessantemente

a tal sonhada estabilidade.

A busca me desestabilizava constantemente,

eu sofria constantemente pelas paixões

mas as paixão me deixavam com

os níveis de dopamina imune a realidade,

e a serotonina dominava meu corpo

para enganar através da cegueira a minh’alma

que hoje é livre de tais enganações.



Ana Cavalcante