21/09/2011

Por que tem que ser com o próprio ser?

Parando para refletir sobre ser uma pessoa de vida pública por suas ações, percebo que ser “celebridade” não faz bem a saúde
 

Vocês já pararam pra perceber como são trágicos seus fins?!

Irei lembrar-me de pessoas que marcaram minha vida e que pensar que elas não estão mais aqui nos mostrando mais seus saberes me deixa triste, às vezes até choro, por pessoas que nem ao menos conheci como pessoas, mais por saber o quanto era pessoas, sábias, de vida leviana, com usos de substâncias ilícitas? Bem isso já é outra questão. Percebo como já cantava cazuza: “Meus heróis morreram de overdose”, bem os meus morreram precocemente de tuberculose, acidentes trágicos, AIDS, suicídios, assassinatos, ataque cardíaco, etc. Porque eles não estão mais entre nós? Porque não de causas naturais? Porque tem ser sempre maneira trágica e dolorosa?

Antes de alguns aos quais, eu ainda pude assisti-los na “TV”, admirava-os antes de suas mortes, e fico triste e de certa forma feliz, triste em perceber que as trágicas fatalidades, fazem com que as pessoas passem a supervalorizar e homenagear, fazer coisas que por arrependimento não fizeram ou reconheceram, e feliz porque passam a ver o lado bom, criativo e a capacidade que aquelas pessoas tiveram e que exerceram como muito sentimento, otimismo e vontade, de mostrar pro seu povo, para o mundo que há um ser ali que pensa, canta, dança, atua, na tentativa de mostrar que somos capazes.

Eles se foram, porém todo seu legado, toda sua luta, e suas conquistas, e que se partiram, foram “cortados” por essa força estranha (como cantava Gonzaguinha), que não deixam esse povo ver o tanto que eles contribuíram para suas cidades, estados, países enfim a população, as culturas, se enxergarem, através deste espelho que nos reflete a arte, por isso não vou cantar? Por isso não vou dançar? Por isso não atuarei? É por isso que eu sou o que sou independente de julgamentos, nada de propaganda, nada de leveza, eles cumpriram seus papéis e se há outro lugar em que suas almas se encontram e vêem como andam os pobres mortais, deve estar bastante feliz, por saberem que nada vida dos mortais, eles se imortalizaram em suas mais belas formas humanas de serem, e que seus legados não tem preço na vida de quem necessita da poesia pra chorar, sorrir, crescer e ser. Então meus caros chorem, gritem, magoem, e se deixem magoar, o importante é sentir, é ser humano, mas saiba ser, de forma clã e justa, mais sejam, lutar sempre, desistir jamais!



11/03/2010

Ana Cavalcante

Nenhum comentário: